Conflitos e guerras como os da Faixa de Gaza podem impactar o abastecimento de água!

Os últimos dias foram marcados por várias notícias sobre os conflitos entre Israel e Hamas (grupo que controla a faixa de Gaza). Não é um conflito recente, se arrasta por décadas, envolve política e religião e agora voltou a causar uma onda de violência. O principal motivo da atual intensificação teve como origem ameaças de famílias palestinas de Sheikh Jarrah, tribunais haviam dado ganho de causa a grupos de colonos judeus que reivindicavam a área em que viviam as famílias (G1, 2021). Sheikh Jarrah tem uma enorme importância para os palestinos, pois significa um símbolo de luta pelo reconhecimento do Estado Palestino, mas também é importante para Israel, uma vez que considera como ponto estratégico para ocupação de Jerusalém (UOL VESTIBULAR, 2021).

18_10_16-Marginalia.jpg

Fonte: https://almalondrina.com.br/suprema-arte-da-guerra/

Há muitos anos, israelenses ocupam áreas habitadas por palestinos por meio de assentamentos em Jerusalém Oriental e na Cisjordânia (nesta cerca de 430 mil colonos israelenses distribuídos entre 132 assentamentos), sendo que essas colônias são ilegais segundo a lei internacional (G1, 2021). Israel diz que tudo isso se trata de uma estratégia de defesa de sua integridade, e não uma tentativa de tomada da soberania palestina. 

O conflito se agravou ainda mais durante o Ramadã (mês sagrado para os mulçumanos), pois a polícia israelense utilizou gás lacrimogêneo contra mulçumanos palestinos e atirou granadas em suas mesquitas. Isso fez com que o Hamas emitisse um ultimato a Israel para retirar suas forças de Al-Aqsa e Sheikh Jarrah, o que não aconteceu, e assim o Hamas começa a atacar Israel (UOL VESTIBULAR, 2021). Até o momento, muitas mortes e feridos já foram constatados, a maioria de palestinos. 

Mas qual a relação com a água?

Muitos desses conflitos têm impacto direto e indireto em suprimentos básicos, sendo a falta de água um grande ponto de destaque, pois pode faltar água para beber, cozinhar, se lavar, ou seja, até mesmo para as necessidades básicas. Vimos isso em 2014, em um conflito na mesma região, o qual deixou 300.000 vizinhos sem água em 10 dias de bombardeios israelenses. 

palestine-gaza-strip-in-2015-678979_1920_1.jpg

De acordo com uma matéria publicada pelo El País em 2014 um bombardeio de Israel provocou a abertura de uma enorme cratera em uma área rural a leste da Faixa de Gaza e água contaminada com excrementos fecais estava transbordando e se misturando com água de uso doméstico que abastece 150.000 palestinos. Segundo o engenheiro Salem “o disparo de um míssil no meio de uma estrada rural só tem como objetivo interromper o fornecimento de água para as casas, e assim centenas de milhares de habitantes de Gaza sofrem cortes de águas em suas casas”.

Já o engenheiro hidráulico Ghassam Qisawi disse que a maioria dos moradores de Gaza são abastecidos por água vendida por empresas privadas e, se não fosse assim, os ataques como o que destroçou o fornecimento na região poderiam causar intoxicações massivas, pois os canos danificados continuam transportando durante um tempo a água ainda misturada com a que sai dos bueiros destruídos (EL PAÍS, 2014). Com os bombardeios, há também corte de energia elétrica e isso agrava ainda mais a situação de fornecimento de água, já que a água vendida por essas empresas é na verdade água dessalinizada e purificada e os processos de dessalinização e o bombeamento de água se tornam impossíveis sem energia. Assim, as ameaças de água em tempos de guerra são um enorme desafio (EL PAÍS, 2014).

Muitos são os conflitos desencadeados pela própria escassez de água e isso tende se agravar no futuro devido ao crescimento da população e o uso insustentável desse recurso que vale ouro. Vamos ver alguns exemplos? 

Colinas de Golã, no Oriente Médio: conflito que envolve Israel, Síria e Jordânia. Durante a Guerra dos Seis Dias, em 1967, Israel invadiu e ocupou as Colinas de Golã, que pertenciam à Síria. A região abriga as nascentes do Rio Jordão, o mais importante desta região desértica, fornecendo um terço da água consumida por Israel. O represamento e os desvios nas águas de Golã por Israel afetam o abastecimento da Síria e da Jordânia, que também dependem desta fonte hídrica. Desde 1974, a ONU monitora um cessar-fogo entre Síria e Israel (EDITORA ABRIL, 2019).  

eufrates1_1.jpg

Fonte: https://guiadoestudante.abril.com.br/blog/atualidades-vestibular/4-disputas-por-fontes-de-agua-que-ja-sao-realidade/

Planalto do Tibete: inclui os países da China, Índia, Bangladesh, Tailândia, Laos, Camboja e Vietnã. No planalto do Tibete, no sudoeste da China, correm cinco grandes rios que carregam as águas do degelo da Cordilheira do Himalaia e das chuvas de monções para vários países do sul e do sudeste do sudeste asiático. Um desses rios é o Mekong, que nasce na China e percorre quase 2 mil quilômetros passando por Tailândia, Laos, Camboja e Vietnã. Esses quatro países dependem das águas do Mekong, mas o abastecimento está sendo comprometido devido à construção de usinas hidrelétricas pela China. Da mesma forma, o Laos também desenvolve projetos de construção de barragens no Mekong para produzir energia elétrica, o que gerou atritos com o governo do vizinho Camboja. Além disso, também há disputas entre Índia e Bangladesh envolvendo as águas do Rio Ganges (EDITORA ABRIL, 2019).

13mekong1-superJumbo-v2.jpg

Fonte: https://www.funverde.org.br/blog/a-china-e-o-rio-mekong/

Bacia do Tigre e Eufrates, no Oriente Médio: envolve a Turquia, Iraque e Síria. As águas dos rios Tigre e Eufrates abastecem as históricas regiões da antiga Mesopotâmia, que atualmente abrange territórios da Síria e do Iraque, porém, as nascentes são controladas pela Turquia, que vem realizando uma série de obras hidrelétricas na bacia desses rios. Uma das barragens em construção no Rio Tigre é a Ilisu que é fortemente criticada pelas autoridades da Síria e do Iraque, que temem uma redução na vazão dos rios. Além da construção da hidrelétrica, Síria e Iraque sofrem com a falta de chuvas, o que contribui para redução do o volume de água no Tigre e no Eufrates, afeta o abastecimento da população e o desenvolvimento da agricultura e assim a escassez hídrica se torna um foco a mais de tensão (EDITORA ABRIL, 2019).

5b72d5d2ee4ee_1.jpg

Fonte: https://www.trt.net.tr/portuguese/programas/2021/03/03/tigre-e-eufrates-os-rios-de-uma-regiao-estrategica-que-abriga-civilizacoes-1593776

Tensões e conflitos pela água são cada vez mais comuns, temos que conservar nossos recursos pois a água de qualidade pode se tornar cada vez mais escassa. Políticas públicas, gerenciamento e gestão de água eficientes e diplomacia sempre serão essenciais para o desenvolvimento de uma nação. Não podemos nunca esquecer que “o mundo precisa de água!

Siga as redes sociais do Instituto Água Sustentável para aprender diariamente sobre como poupar e preservar água da melhor maneira:

Siga-nos no Instagram

Siga-nos no Facebook

Siga-nos no LinkedIn

Siga-nos no Twitter

Inscreva-se no YouTube

Lista de transmissão no WhatsApp  ( Para entrar na lista basta informar seu nome e solicitar sua participação).

Fontes: 

EDITORA ABRIL, 2019: https://guiadoestudante.abril.com.br/blog/atualidades-vestibular/4-disputas-por-fontes-de-agua-que-ja-sao-realidade/

EL PAÍS, 2014: 

https://brasil.elpais.com/brasil/2014/07/17/internacional/1405624982_034310.html

G1, 2021: https://g1.globo.com/mundo/noticia/2021/05/17/conflito-entre-israel-e-palestinos-o-que-esta-acontecendo-e-mais-5-perguntas-sobre-a-onda-de-violencia.ghtml

UOL VESTIBULAR, 2021: 

https://vestibular.brasilescola.uol.com.br/atualidades/conflitos-entre-israel-e-palestinos-em-2021.htm

água

O Instituto Água Sustentável promove o uso sustentável da água através do desenvolvimento de estudos, projetos e pesquisas e da realização de eventos científicos e educativos.
2021 © Todos os direitos reservados. Versão web 3.2.